Como o clima influencia a produção de energia solar?

A geração de energia pela luz solar é bastante dependente do clima. Isso ocorre porque fatores climáticos podem influenciar diretamente a quantidade de radiação solar captada pelas placas fotovoltaicas. 

Nesse sentido, o Brasil é um país privilegiado em termos de geração de energia através do sol. Segundo dados do Atlas Brasileiro de Energia Solar, o país recebe mais de 3 mil horas de brilho do sol durante todo o ano. Isso equivale, na prática, a uma incidência solar diária que varia entre 4.500 e 6.300 Wh/m².

Mesmo sabendo que moramos em um país muito vantajoso para a produção de energia solar, é importante estar atento às mudanças climáticas já que elas podem afetar a geração, tornando-a, inclusive, mais eficiente em algumas épocas.

O que você precisa saber sobre as variações climáticas 

A ciência oferece informações bastante consistentes sobre as variações do clima. Esse é um fato importante para quem quer investir na produção de energia solar fotovoltaica. 

Basicamente, dois fenômenos revezam-se – intercalados por períodos neutros – ao longo dos anos: os famosos El Niño e La Niña. Você já deve ter ouvido esses nomes, mas talvez desconheça o impacto que eles têm no clima mundial, inclusive no Brasil.

Como o clima influencia a produção de energia solar?

O que é o fenômeno El Niño?

O fenômeno El Niño ocorre com o aquecimento da superfície do Oceano Pacífico, o que pode gerar chuvas intensas na América do Sul. Sua ocorrência é irregular, geralmente próximo a dezembro, com frequência de 2 a 7 anos. 

No Brasil, El Niño geralmente traz aumento das temperaturas, trazendo períodos de seca para as regiões norte e nordeste, enquanto aumenta a quantidade de chuvas nas regiões sul e sudeste.

O que é o fenômeno La Niña?

O fenômeno La Niña, por sua vez, acontece com o resfriamento das águas do Oceano  Pacífico, gerando maior volume de chuvas no Norte e Nordeste do Brasil e secas e temperaturas mais altas na região Sul. No Centro-Oeste e Sudeste, os impactos podem variar bastante. 

O fenômeno La Niña acontece de 2 a 7 anos de forma irregular e pode durar entre nove meses e um ano.

O que podemos esperar do clima no ano de 2023?

Estamos vivendo um momento de La Niña que, segundo especialistas, deve seguir atuando  pelo menos até fevereiro deste ano.

Segundo a Universidade de Colúmbia, em parceria com a NOAA,  as probabilidades são de 77% de La Niña e 23% de neutralidade para esse período. Já no período de fevereiro a abril a expectativa é de 26% de probabilidade de La Niña e 71% de neutralidade.

Porém, é a partir do fim do primeiro semestre deste ano que os especialistas apontam uma possível mudança. Entre junho e agosto de 2023, as probabilidades indicadas são de 8% de La Niña, 52% de neutralidade e 40% de El Niño. De agosto a setembro, a chance de El Ninõ sobe ainda mais, chegando a 49%.

Mas afinal, como o clima influencia a produção de energia solar?

Quanto maior for a radiação solar, maior a quantidade de eletricidade gerada. Sendo assim, em dias chuvosos ou nublados, os painéis fotovoltaicos vão captar menos luz solar e, por consequência, gerar menos energia. Entretanto, é importante frisar que ele vai continuar a produzir energia. A chuva também vai desempenhar um papel fundamental na manutenção do equipamento limpando pó e a sujeira que podem se acumular nas placas, prejudicando a produção. 

Por outro lado, nos períodos mais secos e com poucas nuvens, temos muitas horas de incidência de luz solar e, obviamente, mais radiação para ser captada. Isso faz com que épocas de muito sol sejam extremamente vantajosas para a produção de energia solar fotovoltaica. São nesses momentos que o investimento inicial tem mais alto índice de retorno, o tão cobiçado payback.

Quando a Ecoa Energias Renováveis dimensiona um projeto de geração de energia leva em consideração a radiação do local onde será instalado o sistema, contabilizando assim dias de chuva e nublado.

Como o clima influencia a produção de energia solar?
mouse

A geração de energia pela luz solar é bastante dependente do clima. Isso ocorre porque fatores climáticos podem influenciar diretamente a quantidade de radiação solar captada pelas placas fotovoltaicas. 

Nesse sentido, o Brasil é um país privilegiado em termos de geração de energia através do sol. Segundo dados do Atlas Brasileiro de Energia Solar, o país recebe mais de 3 mil horas de brilho do sol durante todo o ano. Isso equivale, na prática, a uma incidência solar diária que varia entre 4.500 e 6.300 Wh/m².

Mesmo sabendo que moramos em um país muito vantajoso para a produção de energia solar, é importante estar atento às mudanças climáticas já que elas podem afetar a geração, tornando-a, inclusive, mais eficiente em algumas épocas.

O que você precisa saber sobre as variações climáticas 

A ciência oferece informações bastante consistentes sobre as variações do clima. Esse é um fato importante para quem quer investir na produção de energia solar fotovoltaica. 

Basicamente, dois fenômenos revezam-se – intercalados por períodos neutros – ao longo dos anos: os famosos El Niño e La Niña. Você já deve ter ouvido esses nomes, mas talvez desconheça o impacto que eles têm no clima mundial, inclusive no Brasil.

Como o clima influencia a produção de energia solar?

O que é o fenômeno El Niño?

O fenômeno El Niño ocorre com o aquecimento da superfície do Oceano Pacífico, o que pode gerar chuvas intensas na América do Sul. Sua ocorrência é irregular, geralmente próximo a dezembro, com frequência de 2 a 7 anos. 

No Brasil, El Niño geralmente traz aumento das temperaturas, trazendo períodos de seca para as regiões norte e nordeste, enquanto aumenta a quantidade de chuvas nas regiões sul e sudeste.

O que é o fenômeno La Niña?

O fenômeno La Niña, por sua vez, acontece com o resfriamento das águas do Oceano  Pacífico, gerando maior volume de chuvas no Norte e Nordeste do Brasil e secas e temperaturas mais altas na região Sul. No Centro-Oeste e Sudeste, os impactos podem variar bastante. 

O fenômeno La Niña acontece de 2 a 7 anos de forma irregular e pode durar entre nove meses e um ano.

O que podemos esperar do clima no ano de 2023?

Estamos vivendo um momento de La Niña que, segundo especialistas, deve seguir atuando  pelo menos até fevereiro deste ano.

Segundo a Universidade de Colúmbia, em parceria com a NOAA,  as probabilidades são de 77% de La Niña e 23% de neutralidade para esse período. Já no período de fevereiro a abril a expectativa é de 26% de probabilidade de La Niña e 71% de neutralidade.

Porém, é a partir do fim do primeiro semestre deste ano que os especialistas apontam uma possível mudança. Entre junho e agosto de 2023, as probabilidades indicadas são de 8% de La Niña, 52% de neutralidade e 40% de El Niño. De agosto a setembro, a chance de El Ninõ sobe ainda mais, chegando a 49%.

Mas afinal, como o clima influencia a produção de energia solar?

Quanto maior for a radiação solar, maior a quantidade de eletricidade gerada. Sendo assim, em dias chuvosos ou nublados, os painéis fotovoltaicos vão captar menos luz solar e, por consequência, gerar menos energia. Entretanto, é importante frisar que ele vai continuar a produzir energia. A chuva também vai desempenhar um papel fundamental na manutenção do equipamento limpando pó e a sujeira que podem se acumular nas placas, prejudicando a produção. 

Por outro lado, nos períodos mais secos e com poucas nuvens, temos muitas horas de incidência de luz solar e, obviamente, mais radiação para ser captada. Isso faz com que épocas de muito sol sejam extremamente vantajosas para a produção de energia solar fotovoltaica. São nesses momentos que o investimento inicial tem mais alto índice de retorno, o tão cobiçado payback.

Quando a Ecoa Energias Renováveis dimensiona um projeto de geração de energia leva em consideração a radiação do local onde será instalado o sistema, contabilizando assim dias de chuva e nublado.

Como o clima influencia a produção de energia solar?

Compartilhe

Receba conteúdos sobre energia solar fotovoltaica!

Assine nossa Newsletter.

    Formulário enviado com sucesso ☑️

    Posts relacionados

    O que é um equinócio? Conheça o fenômeno que marca o início da primavera

    Neste dia 22 de setembro, exatamente às 17:02 – horário de Brasília, acontece o Equinócio de Primavera, que indica o início da primavera no hemisfério sul, estação que marca a transição entre o frio do inverno e o calor do verão.

    Os equinócios acontecem duas vezes por ano, em março e em setembro, e determinam a entrada do outono e da primavera, como acontece hoje. De acordo com Tânia Maris Pires Silva, coordenadora do Planetário da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), o fenômeno “é o momento em que o Sol incide com maior intensidade sobre as regiões que estão próximas da linha do Equador”.

    Assim, o Sol passa exatamente no meio da Terra e os dois hemisférios do planeta – norte e sul – recebem a mesma quantidade de luz, o que resulta em dias quase simétricos, são 12 horas de dia e 12 horas de noite, o que já é anunciado pela origem da palavra: afinal, ‘equinócio’ vem da junção de dois termos em latim: aequus(igual) e nox (noite), ou seja, quando a noite é igual ao dia.

    Se o Equinócio de Primavera dá início à primavera no hemisfério sul, que é onde vivemos, o Equinócio de Outono, que acontece em março, marca o fim do verão e o início do outono. Para o hemisfério norte, sempre acontece o inverso do que acontece para nós. Neste momento, o hemisfério norte está encerrando o verão e iniciando o outono.

    Feliz Primavera!

     

    Link: http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/2017-09-22/equinocio-primavera.html

    Continue lendo
    Locação de terra para instalação de Usina Solar Fotovoltaica

    Rentabilizar seu imóvel rural e contribuir para um dos setores que mais cresce no país, conheça melhor as vantagens da locação de terra para instalação de usina solar fotovoltaica.

    O que é?

    Voltado para produtores rurais ou donos de terras que desejam diversificar seus rendimentos, a locação de terra é uma excelente opção para quem busca segurança de uma renda fixa.

    Os terrenos mais indicados para essa aplicação possuem alguns requisitos importantes, tais como relevo favorável, pouca ou nenhuma intervenção de supressão vegetal da área e que estejam próximo à rede elétrica trifásica.

    Normalmente terras com essas características são encontradas em áreas rurais. Áreas ociosas ou improdutivas podem se mostrar promissoras no que tange à investimentos nesse setor.

    Porém, mesmo em terras produtivas, a instalação de uma usina solar pode ser atrativa, já que essa pode ser uma opção menos custosa para o dono da terra em comparação ao plantio, por exemplo.

    Por quem é feito o arrendamento?

    Os contratos de locação de imóveis rurais tratam de lotes de terra geralmente acima de 2ha (dois hectares) e são firmados entre o proprietário da terra e uma empresa especializada no desenvolvimento de usinas solares fotovoltaicas, como a Ecoa Energias Renováveis.

    Como funciona?

    Antes do contrato ser assinado, alguns processos acontecem. Assim, terreno e a empresa precisam seguir algumas exigências.

    Condições

    O terreno precisa cumprir com algumas condições, as principais delas são:

    • O local não pode ser alagadiço, pedregoso ou ter a presença de sombra;
    • O terreno ideal deve ser plano e com rede elétrica trifásica por perto;
    • Ter área mínima de 2 (dois) hectares (20.000m²), livres de construções, árvores ou riscos naturais;
    • Ter acesso à via pública.

    O terreno está dentro das condições, e agora?

    Validadas as questões técnicas, a próxima etapa se dá na assinatura de um contrato entre a empresa locatária e o proprietário da terra (locador), que deve comprovar a posse e regularidade da documentação da área. Com tudo conferido e dentro das condições, o contrato é assinado.

    Vantagens para o dono do terreno (locador)

    A locação de terra para instalação de Usina Solar Fotovoltaica, além de ajudar na preservação do meio ambiente com um empreendimento sustentável, o terreno alugado gerará frutos pelo aluguel da usina solar, com retorno financeiro garantido em contratos de 30 (trinta) anos.

    Quais são as regras para o contrato?

    Como todo contrato, esse também possui regras. Para aprovar a viabilidade do local é preciso apresentar alguns documentos, entre eles:

    • Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR);
    • Certificado de Cadastro de Imóvel Rural (CCIR);
    • Cadastro Ambiental Rural (CAR);
    • Matrícula atualizada do imóvel.

    Quais as melhores regiões para arrendamento de terras?

    Por ser gerada através da radiação solar, os melhores locais para alugar terrenos são os que possuem maior incidência de radiação solar.

    Mas esse não é o único ponto a ser considerado. A segurança jurídica, incentivos fiscais e as tarifas de energia elétrica em cada região também devem ser analisadas.

    No sul do Brasil, as melhores regiões estão à Oeste dos estados. Mas uma avaliação mais detalhada pode mostrar excelentes pontos de geração de energia nas demais regiões. Tudo depende da análise completa de cada terreno.

    De acordo com o Atlas Brasileiro de Energia Solar, a área chamada de Cinturão Solar é a melhor para o investimento. Ela vai do Nordeste até o Pantanal, pegando também o norte de Minas Gerais, o sul da Bahia e o norte e nordeste de São Paulo. Mesmo com essa área sendo de maior incidência, o Brasil como um todo é considerado como ótimo potencial para energia solar. Para se comparar, áreas com menor incidência de radiação no país ainda geram mais energia do que em países como a Alemanha, uma das referências globais em uso da geração solar em sua matriz energética.

    Locação de terra para instalação de Usina Solar Fotovoltaica
    Mapa de radiação solar no Brasil

    Locação de terreno para a Ecoa

    Atualmente, todos os projetos que a Ecoa Energias possui parecer de acesso (PPA) são registrados já com o terreno averbado, assim como um banco de terrenos já necessário para projetos futuros. A empresa não está em busca de novos terrenos.

    Continue lendo
    Palmas instala pontos de ônibus com energia solar e Wi-Fi

    A prefeitura de Palmas entregou, em junho, 19 novos ônibus equipados com ar condicionado e elevador para cadeirantes, além de um novo ponto de ônibus autossustentável.

    Construído em estrutura metálica, com iluminação de LED, telhas isotérmicas que amenizam a temperatura e painéis fotovoltaicos, o novo ponto de ônibus tem como diferencial o tamanho. São 24 metros quadrados, enquanto os atuais possuem seis metros quadrados.

    Outro fator importante é a tecnologia, o abrigo possui autonomia energética, devido aos painéis fotovoltaicos, que por meio da energia solar, permitirão a recarga de celular e conexão Wi-Fi gratuita.

    De acordo com o prefeito Carlos Amastha, o abrigo traz inovação ao sistema de transporte público urbano ao ter sido instalado junto com outras melhorias, como a calçada nivelada com rampa para cadeirantes, painel com informações das linhas e da cidade e iluminação de LED na faixa de pedestre, que garante melhor visibilidade da travessia por condutores a 800 metros de distância. Além disso, o novo ponto abriga uma câmera de monitoramento interligada a uma central de monitoramento 24 horas por dia.

    O ponto foi inaugurado no setor Taquari e até o final do ano, a capital de Tocantins terá 30 modelos instalados nas regiões norte, central e sul da cidade, e ainda, serão licitadas mais 200 unidades. Segundo o prefeito, as instalações irão ocorrer em áreas com grande fluxo de pessoas e em áreas próximas de instalações públicas como escolas de tempo integral, Unidades de Pronto Atendimento (UPA), Resolve Palmas, Centro, entre outros.

    “Estamos priorizando também a perfeita pavimentação de vias que são itinerário de linha para garantir que todas as rotas sejam contempladas com ônibus com ar condicionado”, anunciou Carlos Amastha.

    Ainda, com a intenção de aproveitar todo o potencial solar de Palmas e de tornar a cidade referência nacional, a prefeitura por meio do Programa Palmas Solar, idealizado pela Secretaria de Energias Sustentáveis, tem incluído diversos benefícios diretos ao consumidor, fornecendo descontos sobre o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) e Imposto de Transferência de Bens Imóveis (ITBI), para quem implantar sistema de geração fotovoltaica de eletricidade.

    O desconto no IPTU é válido por cinco anos e aumenta à medida que o imóvel passa a produzir mais energia elétrica, podendo chegar até 80%, os benefícios são válidos para novas construções e também todos os imóveis construídos que decidirem aderir à geração de energia solar. A iniciativa, tem como objetivo sensibilizar o público quanto à importância da sustentabilidade, a responsabilidade ambiental e a popularização da energia solar fotovoltaica.

    Fonte: http://ciclovivo.com.br/noticia/palmas-instala-pontos-de-onibus-com-energia-solar-e-wi-fi/

    Continue lendo
    Onda solar: porque sua empresa deve investir em energia fotovoltaica!

    A chegada do verão faz com que o Sol ocupe uma posição central no interesse das pessoas. É época de aproveitar praias, piscinas e se divertir! No entanto, esse período é considerado a galinha dos ovos de ouro para empresários que desejam alavancar seus negócios no Brasil.

    O motivo? A energia solar está crescendo anualmente em todo o território nacional por ser uma opção barata, eficiente e vantajosa para seus clientes, permitindo que pequenos, médios e grandes empreendedores possam economizar e otimizar suas produções.

    Dados da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica) mostram que a energia solar ainda ocupa apenas 0,8% de toda a Matriz Energética Nacional. Entretanto, o potencial é gigantesco. Até 2040, a meta é ampliar esse número para 32%. Em 2017, o Brasil conseguiu aumentar 0,9 GW (gigawatts) a sua capacidade de energia solar, ocupando a décima posição em todo o mundo. Além disso, está entre os 30 países com mais potência acumulada, de acordo com o relatório Snapshot of Global Photovoltaic Market, da IEA PVPS.

    Como se não bastasse, as placas fotovoltaicas também contribuem para a rentabilidade do negócio a longo prazo. O consumo energético das empresas brasileiras cresce a cada ano e deve se intensificar ainda mais em 2019 com a retomada econômica do país.

    Ao apostar na fonte solar, a empresa consegue produzir sua própria eletricidade a um custo bem mais baixo e ainda fica imune às tarifas impostas pela concessionária.

    Outro aspecto importante tem a ver com a sustentabilidade, uma questão vital para o sucesso do negócio e que deve fazer parte da estratégia da companhia, já que os consumidores valorizam e respeitam marcas que adotam soluções ecológicas em seus processos.

    A energia fotovoltaica não é apenas mais uma tendência; é o presente e o futuro da geração de eletricidade no país. O Brasil tem um potencial gigantesco devido à incidência constante de luz solar em praticamente todo o ano no território nacional. Cabe às empresas aproveitarem esta situação para potencializem seus negócios.

    Ficou interessado? Fale por aqui com um consultor ECOA e tenha um orçamento para seu empreendimento de forma totalmente gratuita!

    Continue lendo

    Comentários

    Ainda não há comentários neste post. Seja o primeiro a deixar um comentário!

    Deixe um comentário

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *